Shang-Chi: Como um filme imperfeito ainda consegue conquistar o coração do público?

  • Save

Atenção! O texto abaixo possui spoilers de “Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis

Depois do fenômeno que foi Vingadores: Ultimato” em 2019, a Marvel tiraria uma espécie de férias, através de um ano de 2020 relativamente mais calmo em relação a estreias, antes de iniciar sua nova fase com filmes e séries todos partes de um mesmo universo. Acaba que as férias se tornaram um ano sabático forçado, e 2020 se tornou o 1º ano sem lançamentos Marvel Studios desde 2009.

O ano seguinte viria a compensar, com as estreias das primeiras séries do estúdio. “WandaVision” se tornou um fenômeno à sua própria maneira, oferecendo um novo capítulo a cada semana, e sendo em sua grande maioria diferente de tudo que já havíamos visto do estúdio. Talvez o público finalmente pudesse ficar empolgado com o retorno do tão querido MCU, em um formato novo e empolgante. No entanto, as séries seguintes demonstraram que a Marvel até o momento está achando o caminho no mundo da TV, com “Falcão e o Soldado Invernal” e “Loki” sendo mais instáveis.

Mas tudo bem, pois “Viúva Negra” finalmente chegaria às telonas. A produção já vinha atrasada não sozinho por conta da pandemia, mas por ser vítima de um grupo de executivos que não quiseram dar um capítulo próprio para a veterana dos Vingadores Natasha Romanoff até o momento na Fase 1, ou ao menos na Fase 2. A personagem teria sua “homenagem” depois de morta apenas, e a magia de uma estreia Marvel nas telonas seria atrapalhada pelo estréia simultâneo no Premier Access do Disney Plus (e dessa forma, disponível também no seu servidor pirata favorito).

Ao fim de julho, depois de 4 produções sendo assistidas na TV, ansiava-se por algo que realmente nos fizesse lembrar da sensação que é assistir um filme Marvel. Que oferecesse ao menos uma parcela da emoção que era sentar na poltrona e ouvir a abertura composta por Michael Giacchino vinda das caixas de som (uma abertura que agora está presente em quase todos os episódios das séries, e parece ir perdendo cada vez mais o impacto). Em um período incerto sobre os lançamentos em meio à pandemia, eis que foi decidido: “Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis” seria uma estreia exclusiva dos cinemas. Com a vacinação em bom progresso, grande parte do público já se sentiria confortável para ir a uma sala de cinema, e dessa forma conhecer seu novo herói favorito da Marvel.

Todos sempre torcem para o “azarão”

Anunciado no decorrer o glorioso painel da Marvel da San Diego Comic-Con 2019, “Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis” traria o 1º personagem principal asiático do estúdio, com a promessa de revitalizar a história com elementos problemáticos do herói nos quadrinhos. Simu Liu subiu ao palco apenas 4 dias depois de ter recebido a ligação com a confirmação de que seria Shang-Chi, e logo viralizou seu clássico tweet jogando para o universo o desejo de fazer parte do MCU.

How it started How it’s going pic.twitter.com/A1kwjvwyIw

— Simu Liu (刘思慕) (@SimuLiu) August 9, 2021

O ator sozinho tinha a série “Kim’s Convenience” como maior destaque na carreira, e logo sua vida mudaria completamente. A questão é, Liu ganhou o coração dos fãs de imediato. Bem ativo nas redes sociais, ele falava — e continua falando — diretamente com o público, reconhecendo memes e trends atuais, e servindo como um fã do MCU que de repente foi colocado dentro do universo. Similar ao que aconteceu quando Tom Holland foi escalado como o novo Homem-Aranha, já estávamos prontos para amá-lo mesmo antes de ver seu filme.

E então quando a pandemia começou, “Shang-Chi” teve sua data de estreia adiada 3 vezes, com as próprias filmagens tendo de ser paralisadas e adaptadas. Com a Disney decidindo o que adiar e o que colocar no streaming, e toda a discussão envolta nisso, o equivocado atual CEO Bob Chapek classificou “Shang-Chi” como um “experimento”, dizendo que a obra seria um teste para guiar futuras decisões de lançamentos da Disney. Em suma, o longa seria obrigado a dar bons resultados. A declaração, embora faça sentido dentro do contexto mercadológico, mostrou-se insensível ao talento envolto na produção – o que já se tornou marca registrada do novo Bob -, e Simu Liu usou seu Twitter para expressar que o filme não seria um “experimento”, mas “a surpresa”.

O ator @SimuLiu rebateu o comentário de Bob Chapek, CEO da Disney, em relação ao estréia de #ShangChi:

“Não somos um experimento. Somos os azarões, os subestimados. Somos a celebração da cultura e da alegria que irá perseverar após um ano difícil. Nós somos a surpresa”. pic.twitter.com/LlOhSYhB52

— Cinema com Rapadura (@rapadura) August 14, 2021

E dessa forma o foi. Depois de seu segundo final de semana, o longa já acumula US$ 257 milhões de bilheteria mundial, tendo um ótimo desempenho. Os números são um sucesso não sozinho pelo contexto da pandemia, mas porque muitos duvidaram que “Shang-Chi” teria alguma relevância. Um herói pouco conhecido dos quadrinhos, que não havia tido nenhuma relevância no MCU até então, com o elemento mais conhecido de seu lore sendo o Mandarim, usado como uma piada em “Homem de Ferro 3”.

Depois de “Vingadores: Ultimato”, como a Marvel esperava que “Shang-Chi” tivesse importância o suficiente para “salvar os cinemas”? Bom, a resposta é até simples. “Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis” é uma viagem de volta à Fase 1 da Marvel, com os deslumbres e diversão de uma época em que o mais relevante era a aventura do filme em questão, e nem tanto como a obra atual impactaria a seguinte. Claro que em seu começo o MCU nem ao menos tinha a garantia de que conseguiria se firmar, e cada passo era pequeno, devagar e sempre. Mas à época, tudo era novo e animador.

Você ja viu? :  Com a relação abalada, pai e filho vão se reaproximar ao tentar vender herança em novo filme com Liam Neeson

É fácil lembrar de “Homem de Ferro” como o ícone que é até hoje, mas até mesmo sua sequência, não tão apreciada hoje em dia, era divertida o suficiente para nos empolgar. Tony Stark estava de volta, com seus preciosos Happy Hogan e Pepper Potts, e elementos da Iniciativa Vingadores vinham à tona sem prejudicar a narrativa da produção em si. Natasha Romanoff era apresentada, o amado Agente Coulson ganhava mais espaço, e apesar do fraco vilão (elemento herdado de seu 1º filme, por sinal), “Homem de Ferro 2” triunfava.

Depois dos elogiados “Thor: Ragnarok” e “Capitão América: O Soldado Invernal”, é difícil lembrar a empolgação que seus capítulos iniciais trouxeram. A Fase 1 se encontra distante e nem tão deslumbrante depois de outras duas fases abaladoras. Mas devemos nos lembrar que o próprio MCU começou como um azarão. Por conta de seu passado conturbado, poucos acreditavam que Robert Downey Jr. era uma boa escolha para encabeçar um projeto tão importante. E não se enganem, o Homem de Ferro não tinha nem um terço da relevância que ganhou após seu intérprete o tornar tão imprescindível a ponto de seu próprio universo cinematográfico se tornar dependente dele. Em uma época que sucedia a 1º trilogia dos e os filmes do de Sam Raimi, e no mesmo ano de “O Cavaleiro das Trevas”, “Homem de Ferro” era o azarão. E todos sempre torcem para o azarão.

Personagens sempre foram a maior a potência do MCU

Depois que “Os Vingadores” fez do MCU o auge do gênero de super-heróis na cultura pop, a Marvel sempre tinha que ir mais e mais além, e alguns erros foram ocasionalmente cometidos. O estúdio engatou logo 2 dos piores longas de seu catálogo com “Homem de Ferro 3” e “Thor: O Mundo Sombrio”, mas estava tudo bem, porque o universo já estava estabelecido, e se o público não gostasse daqueles, outros viriam. No caso de “Homem de Ferro 3”, até o momento há muitos que o defendem, seja pelo estilo claro do diretor Shane Black, ou pela pseudodiscussão sobre estresse pós-traumático, ou até mesmo pela brincadeira do falso Mandarim. Mas o que de fato justifica o sucesso da obra é Tony Stark. O personagem é bom, queremos mais dele. O filme não é tão bom assim? Podemos aguentar, pois em pouco tempo vamos ver ele novamente.

No caso de “Thor: Mundo Sombrio”, é difícil encontrar alguém que goste, e na verdade ele chega mais próximo de ser uma unanimidade sobre ser o pior filme do MCU. Mas o personagem que ganhou o público em “Thor” foi Loki, e ele estava de volta aqui, sendo basicamente a única coisa que “salva” a obra. O deus da Trapaça de Tom Hiddleston foi sempre tão adorado que depois de falsas mortes e até um verdadeira, ele até o momento vive em uma série própria, que terá uma 2º temporada. Com o Thor, a Marvel não havia tido tanto sucesso dessa forma, mas veio então o salvador do personagem com Taika Waititi. Seu “Thor: Ragnarok” repagina o deus do Trovão de Chris Hemsworth e finalmente o coloca como alguém relevante dentro de sua própria história.

O desconhecido grupo dos Guardiões da Galáxia se tornou sucesso imediato, Homem-Formiga conseguiu sobreviver ao abandono de Edgar Wright por conta do carisma de Paul Rudd, e “Vingadores: Era de Ultron” até o momento consegue ser amado pelos fãs não pela história que prometia algo sombrio e entregou uma inteligência artificial boba, mas pelos personagens. A cena mais lembrada do filme segue sendo a cena do jantar, que serviria não sozinho como um distante foreshadowing do quanto Steve Rogers é digno, mas que junta todos aqueles que já amávamos, interagindo como uma família.

Até Pantera Negra, que pode ser colocado alto no ranking na Marvel não sozinho pelos personagens mas também pela história, até o momento tem seus erros, e um terceiro ato que deixa a desejar. Tais defeitos costumam ser esquecidos logo que lembramos da cena de despedida de Killmonger, e da mensagem que o filme deixa em seu final. Agora, depois da morte de Chadwick Boseman, é impossível olhar para “Pantera Negra” com os mesmos olhos, porque a obra acaba sendo um legado do ator.

Mas até mesmo se olharmos para os celebrados “Vingadores: Guerra Infinita” e “Vingadores: Ultimato”, eles triunfam menos por suas histórias, e mais pela conexão emocional que o público possui com os personagens. Muitos dizem preferir “Guerra Infinita” a “Ultimato”, ignorando ou simplesmente não se importando com o fato de seus vários núcleos separados deixarem a história fragmentada. Ora, mas isso de fato não importa quando o estalo de dedos de Thanos leva embora todos aqueles que amamos, nos deixando desolados no cinema. Muitos preferem “Ultimato” pela baita recompensa que ele oferece, dando a chamada “passada de pano” para suas conveniências de roteiro. Nada mais justo, afinal o filme é uma celebração de 11 anos de MCU, podemos apenas ser felizes com o que gostamos.

Certo, mas o que isso tem a ver com “Shang-Chi”? A produção está sendo amplamente elogiada, já entrando no topo do ranking de vários fãs, sucesso de bilheteria, sendo tão admirada que fez da obra a mais aprovada pelo público no gênero de heróis no Rotten Tomatoes.

E isso tudo é ótimo. Mas “Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis” é um filme imperfeito. Como ele pode ser tão amado?

Quando o desenvolvimento de seu herói está mais na mente do público do que no próprio filme

Quebrando um pouco a objetividade, tenho muita dificuldade em me expressar falando, o que acaba sendo irônico (e irritante para muitos) minhas participações nos vídeos e podcasts do Rapadura. É difícil expressar o quanto amei “Shang-Chi” ao mesmo tempo que tenho plena consciência de seus vários defeitos. Este texto é uma tentativa de conciliar ambos os lados, e oferecer uma visão que pode ser interessante para quem está lendo. A quem já chegou até aqui, suponho que ir mais adiante até o fim não vai ser um problema, um benefício que as letras oferecem, enquanto a voz afasta. Sim, caro leitor que amou “Shang-Chi”, o filme tem defeitos. Sim, caro leitor que não gostou de “Shang-Chi”, ele tem qualidades. Que doido pensar que o mundo não é feito de extremos, não é mesmo?

Você ja viu? :  Friends Reunion: Confira os segredos do trailer completo

Talvez não o pior, mas com certeza o mais chamativo defeito é o fato de que a produção deixa de lado suas belíssimas lutas marciais em cenários criativos, para dar lugar a criaturas fantásticas de CG se enfrentando debaixo de um céu cinza. Sim, a história do herói sempre contou com elementos fantasiosos, dessa forma como os próprios Dez Anéis o são, mas o longa faz uma curva drástica de onde estava para que o vilão final seja um devorador de almas que nada tinha a ver com o que estava acontecendo antes.

A curva é feita, inclusive, através do retorno de Trevor Slattery, o falso Mandarim de “Homem de Ferro 3″, interpretado por Ben Kingsley. Por algum motivo, viu-se necessário trazer de volta um personagem que nunca acrescentou nada, uma piada que continua sendo uma piada, e dessa vez, bastante inconveniente. Através de Wenwu, o de verdade Mandarim (que na verdade não se intitula de tal forma), um público que não tinha ciência do curta “All Hail the King” — o retcon que informou a existência do real líder da organização criminosa Os Dez Anéis — pôde entender o que aconteceu. O hipnotizante Tony Leung explica para Katy, e para nós, que um idiota qualquer havia assumido sua identidade, e isso já era o suficiente para esclarecer qualquer confusão.

Mas eis que então, lá está Trevor Slattery, que não apenas aparece, como é o único que consegue falar com uma criatura mágica sem rosto, a chave para que os protagonistas possam entrar em Ta Lo antes de Wenwu. Uma decisão mal trabalhada que obriga o público a aceitar a conveniência para poder tentar aproveitar o que vem depois. É a partir daí que o filme entra em seu caminho mais problemático, mas menos pelas criaturas de CG e mais pela mensagem que ele está tentando passar através de seu herói.

Shang-Chi é filho de Wenwu, o poderoso e milenar portador dos Dez Anéis, e Li, guardiã da dimensão mágica de Ta Lo. A cena inicial apresenta logo de cara que Wenwu poderia fazer uso o poder que encontrou para o bem… mas preferiu buscar poder. Ele criou um império para si, e continuaria sua busca por mais se não tivesse encontrado – e se apaixonado – por Li. Ela guardava a entrada de seu mundo contra intrusos dispostos a invadi-lo atrás do que não poderiam controlar, mas deixou seu posto, e seu lar, pelo homem por quem se apaixonou. Shang-Chi é fruto dos dois, e na metáfora que o filme passa, Li representa a luz, enquanto Wenwu representa a escuridão dentro do protagonista.

É possível entender tal ideia, mas a história falha em expor isso. Depois de passar por um árduo treinamento por sete anos para se tornar um assassino, Shang-Chi foge do domínio do pai aos 14 anos, depois de matar o responsável pela morte de sua mãe. Estes detalhes são apresentados pouco a pouco ao público, e embora funcionem dentro da narrativa, não entram em harmonia com o Shang-Chi que vemos nos dias atuais. Encontramos ele como Shaun, vivendo uma boa vida em San Francisco junto a sua amiga Katy. Ambos não têm planos concretos para o futuro, mas quem tem afinal?! Eles são a norma. Quando descobrimos a real identidade de Shaun, o filme tenta passar a ideia de que ele está em embate sobre quem verdadeiramente é, e talvez por isso não consiga levar sua vida com propósito.

Podemos entender isso através dos flashbacks, mas não conseguimos ver o mesmo no Shang-Chi que decide lutar contra o pai ao final do filme. A trama vai levando-o até ali, mas se não estivermos dispostos a aceitar que o único jeito de Shang-Chi derrotar Wenwu é aceitando a luz e a escuridão dentro de si, não entendemos por que Wenwu é derrotado. Antes do embate, o personagem de Tony Leung debocha: “você acha que vai me derrotar sozinho?”, e na verdade essa é uma pergunta que o próprio público pode fazer. Em que momento foi estabelecido que Shang-Chi teria a capacidade de derrotar o poderoso e milenar portador dos Dez Anéis?

Na excelente 1º metade do longa, vemos como os estilos de luta de Wenwu e Li são diferentes, ele optando pela brutalidade, e ela pela delicadeza, conseguindo-o derrotar por fazer uso seus golpes contra ele (e pelo fato de que ambos apaixonados talvez não estivessem lutando de verdade, detalhes). Conhecemos também o estilo de Shang-Chi, que treinado aos modos do pai, é mais ágil e incorpora movimentos mais modernos. Temos chance de vê-lo lutando contra capangas aleatórios e o gigante Razor Fist na divertida cena do ônibus, e vemos até o momento mais sua agilidade e adaptabilidade na cena do prédio. Chegamos a ver até uma eletrizante luta entre ele e seu antigo mestre, Death Dealer, em uma cena que se beneficiaria de ser mais longa. Mas nunca vemos as habilidades de Shang-Chi comparadas às de Wenwu antes do fim.

Muito por conta da excelente atuação de Tony Leung, Wenwu é um personagem carismático e amedrontador. O prólogo mostra suas conquistas, e o flashback de quando ele vai atrás de quem matou sua mulher mostra sua impiedade. Não o vemos lutando tanto quanto vemos Shang-Chi, mas através de tudo isso entendemos que ele detém poder, e com os Dez Anéis, ninguém seria capaz de derrotá-lo. A não ser que ele não seja o vilão de verdade, tenha seu coração enfraquecido pela perspectiva de ver a mulher novamente, e que consegue de fato vê-la, mas dessa vez nos olhos de seu filho.

Você ja viu? :  Filme dos Power Rangers terá roteiristas de X-Men: Primeira Classe

O filme desiste de Wenwu como vilão quando é revelado a Shang-Chi e sua irmã Xialing que a razão de trazê-los de volta é para recuperar a mãe deles e curar a destruída família. Tal plano não é uma enganação do personagem para convencê-los a ir a Ta Lo atrás de mais poder, e sim é genuinamente um desejo de seu coração, algo mostrado ao público através da cena em que Li supostamente fala com ele. Dessa forma, é mais improvável convencer o público de que Wenwu deve ser parado. Sim, ele pretende salvar a amada ao destruir todo um povo, mas ao invés de cometer um ato tão vil em busca de mais poder, como ele sempre fez, na verdade o personagem está desesperado atrás da única pessoa que foi capaz de mudá-lo.

Paralelo a isso, quando Shang-Chi chega a Ta Lo, sua tia Nan, interpretada por Michelle Yeoh e seus sábios olhos, passa a ele a mensagem da luz e escuridão. Uma mensagem que não vem dele mesmo, mas que ela coloca em sua cabeça como a verdade do que está acontecendo. O herói então precisa encontrar a mãe dentro de si, pois apenas o pai estava presente ali. É confuso, pois o personagem principal passou dez anos fugindo do passado, e de certa forma se tornou uma nova pessoa. Mas é como se voltar a sua antiga casa, onde passou sete anos sendo treinado para ser uma máquina de matar, lembrou-lhe de que ele possui sim um ódio no coração e que, dessa forma, precisava lembrar do amor de sua mãe.

No entanto, o tempo restante no filme não é o suficiente para que seja crível a eventual vitória de Shang-Chi contra Wenwu. É até possível acreditar que o breve treinamento com Nan tenha o preparado, afinal sua mãe costumava ensiná-lo seus movimentos quando pequeno, e os flashbacks colocados no decorrer da narrativa ajudam nesse sentido. Mas essa raiva que Shang-Chi supostamente tem contra seu pai é pouco elaborada, e não cai tão bem em um personagem principal que já nos conquistou como alguém divertido e até feliz. E então, Wenwu sozinho tem de ser parado no fim porque está prestes a abrir um portal que libertará uma criatura devoradora de almas. Não porque ele é um chefe de uma organização criminosa global que precisa ser parado pela sua busca incessante pelo poder. Ele apenas quer sua amada de volta, e em seu fim, ao reconhecer Li em Shang-Chi, ele cede os Anéis a seu filho, em uma espécie de redenção não falada.

Shang-Chi então se torna portador dos Anéis como um resultado do equilíbrio entre luz e escuridão, em uma mensagem que depende muito mais da nossa aceitação do que de como foi escrita. Mas quer saber? Não tem problema. O personagem é bom, queremos mais dele, podemos aceitar os defeitos, pois em pouco tempo o vamos ver novamente.

Como amar algo imperfeito?

“Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis” me conquistou sem muito esforço, apenas por ter muito coração. Simu Liu faz um herói tão cordial e relacionável, que é muito fácil estar do seu lado. Awkwafina está maravilhosa como sempre, e a engraçada e compreensiva Katy nos faz amar até o momento mais Shang-Chi, pois através dela conseguimos entender que ele de fato é um herói. Mesmo que pouco abordada nesse texto, a Xialing de Meng’er Zhang me conquistou com menos de um minuto de tela. A relação entre irmãos é um dos pontos altos. Vê-los lutando um contra o outro e depois lado a lado, unidos pelo trauma e também pelo amor, deixou o filme até o momento mais especial para mim, que tendo um irmão como a pessoa mais relevante da minha vida, nunca consigo deixar de me emocionar ao ver uma relação dessa forma em tela. A Li de Fala Chen consegue realmente expor como alguém como Wenwu largaria tudo por ela. E Tony Leung é facilmente o trunfo, sendo impossível pensar em como a obra seria sem sua hipnotizante atuação.

Vinte e 5 filmes depois, hoje em dia já se fala como a Marvel costuma estragar suas obras com suas criaturas de CG, fotografia desinteressante, ou vilões mal desenvolvidos. E de fato o estúdio cai em todas essas armadilhas no terceiro ato de “Shang-Chi”. Mas é impossível ignorar tudo o que o longa tem de bom. Sim, temos easter eggs do MCU, e as participações da Capitã Marvel e Bruce Banner (além do bem encaixado Wong), mas ao lembrarmos da Fase 1, conseguimos reconhecer as pistas para o futuro, sem que a história de um novo herói seja prejudicada.

Shang-Chi pode não ter tido um triunfal 1º filme como aconteceu com o padrinho do MCU, mas, dessa forma como vários outros que vieram depois, o herói tem o que é preciso para fazê-lo durar por muitas outras produções, sejam elas boas, medianas, ruins ou excelentes: coração.

O post Shang-Chi: Como um filme imperfeito até o momento consegue conquistar o coração do público? apareceu 1º em Cinema com Rapadura.

Deixe seu comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Todos os direitos reservados - Poltrona de Cinema 2021
English EN Portuguese PT Spanish ES
Share via
Copy link