S.O.S. Mulheres ao Mar – Crítica

sos mulheres ao mar

Sem um homem ao lado, uma mulher não é nada. Pelo menos, é essa a mensagem geral passada por S.O.S – Mulheres ao Mar, novo filme de Cris D’Amato. Adriana (Giovanna Antonelli) abandona projetos pessoais durante 10 anos por um casamento; sua vida perde o sentido ao fim da união e a única possibilidade de ser feliz é começar um novo romance.

Quando descobre que o ex-marido, Eduardo (Marcello Airoldi), vai viajar em um cruzeiro, a protagonista decide ir junto. A missão é recuperar o amor de sua vida, separando-o da nova namorada, Beatriz (Emanuelle Araújo). Para isso, leva na viagem a irmã, Luiza (Fabíula Nascimento), e a empregada doméstica Dialinda (Thalita Carauta).

Por cerca de metade da estadia no cruzeiro, Adriana e as companheiras se prestam a um papel ridículo, escondendo o rosto como em uma missão secreta. Elas fazem pequenas sabotagens, do tipo arremessar a bagagem do casal ao mar para que Beatriz dê um escândalo. Enquanto isso, André (Reynaldo Gianecchini) está hospedado na cabine ao lado e observa a situação.

Adriana é tradutora de filmes pornográficos. Quando isso é mostrado no começo do longa, surge a esperança de algo diferente e inusitado, com uma protagonista independente e desinibida. Porém, essa profissão só vem à tona novamente quando ela se lembra de que Beatriz já atuou em filmes eróticos. Seu novo plano para separar o casal se torna espalhar cenas do filme pelo navio inteiro.

Você ja viu? :  300 - A Ascensão do Império - Opinião do Poltrona

É inaceitável que isso seja feito da maneira usada emMulheres ao MarSlut-shaming, a depreciação de uma mulher pelo sexo, é algo grave e nem um pouco engraçado. Carreiras são arruinadas e há casos de suicídios relacionados à divulgação de imagens íntimas. Usar isso como piada é irresponsável.

Mais inacreditável é o fato de André achar que essas atitudes fazem de Adriana uma pessoa admirável. Ele se apaixona por alguém que, em uma crise de obsessão e amor-próprio, faz de tudo para arruinar vidas. O romance soa artificial e raso, servindo apenas para mostrar que o casamento não é o fim da vida de uma mulher: ela sempre pode arranjar outro namorado. Talvez essa lição fosse adequada para um filme da década de 1950.

Outro aspecto irritante é a quantidade de propagandas da empresa de cruzeiros envolvida na produção do filme. É aceitável que alguns elementos do navio sejam mostrados, já que ele é cenário da trama. Mas nada justifica que os personagens passem minutos escolhendo roupas na loja a bordo e, depois, sacolas com o logo da empresa fiquem ao fundo das cenas. O público pagou para ver um filme, não um anúncio de televisão.

Roteiro à parte, Giovanna Antonelli está bem no papel de Adriana, mas o brilho do filme está nas cenas de Fabíula Nascimento e Thalita Carauta. As duas protagonizam os momentos mais cômicos, com boas atuações. Mesmo assim, esses bons momentos não conseguem se sobrepor ao tom geral e impedir o naufrágio.

Você ja viu? :  TMNT - As Tartarugas Ninja - opinião Legião dos Heróis

fonte:omelete.uol.com.br

Você já viu esses posts?

10 filmes de comédia para rir muito

Esta procurando um filme para rir muito? então confere essa lista que fizemos de filmes que tem um único objetivo: te fazer rir demais! Top Gang 2 –…

7 filmes preferidos de nossos leitores

Criamos um post em nossa página no facebook e ouvimos sugestões para montarmos essa lista com a pergunta – Qual seu filme preferido? Minha mãe e uma peça…

Os Melhores filmes de epidemias

Quer filmes sobre epidemias ? então veio ao lugar certo: veja os melhores filmes sobre epidemias, bactérias, vírus e até fim da humanidade. Uma lista contagiante! Os Melhores…

Deixe seu comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Voltar ao Topo
Todos os direitos reservados - Poltrona de Cinema