Crítica | Maligno (2021): o apaixonante terror de James Wan

Crítica | Maligno (2021): o apaixonante terror de James Wan

Não é de agora que muitos longas tentam se afastar dos clichês do terror, impregnados pelo ímpeto de sofisticar um gênero mal visto por muitos. Mestre na emulação dos elementos mais clássicos desse setor, James Wan adota a contramão para expor que as raízes do mesmo estão mais vivas do que nunca.

Afetada por uma série de visões inquietantes, a perturbada Madison (Annabelle Wallis) passa a testemunhar os assassinatos cometidos por uma assustadora entidade. Recém saída de um relacionamento abusivo, ela decide tentar resolver o caso e se vê forçada a lutar contra demônios do seu passado. A uma descuidada 1º vista, o enredo pode até não parecer original, mas tem-se aí a trama que o diretor elege para homenagear o horror em seu mais autoral filme, “Maligno“.

Recuperando a câmera “vagante” que tanto marcou o seu “Invocação Do Mal“, Wan utiliza dos grandes trunfos de sua trajetória para artificializar ao máximo a experiência. Tudo aqui parece enfeitado e fantasioso, desde a atmosfera onírica que reveste o hospício da sequência de abertura até o zenital – planos vistos de cima – que compõe lindos quadros no decorrer o 1º delírio da protagonista.

Se os diálogos expositivos, as entradas de trilha melodramáticas e os litros de sangue falso fragilizam, aos olhos de alguns, a experiência, para outros é aqui que ela encontra o seu maior mérito: O auto reconhecimento como experiência cinematográfica, brincando com a relação que o espectador – eternamente dividido entre o racional e a descrença – estabelece com essas narrativas.

Você ja viu? :  Ben Affleck e Jennifer Garner anunciam o divórcio

Nesse sentido, é brilhante como Wan compõe planos abertos e adulterados pela curvatura da lente – mostrando um afastamento entre a tela e as personagens, incapazes de vencer a dimensão fílmica – e reutiliza, de modo geral, traços que percorreu no decorrer de toda a sua carreira. Se em um momento acompanhamos um psicológico – alavancando por belíssimos jogos de luz -, no instante seguinte seguimos um slasher digno dos “Giallos” italianos, isso para minutos mais tarde sermos surpreendidos com alucinantes passagens de ação policial. É o em sua mais pura forma, priorizando mais a linguagem do que os eventos retratados em si.

Não que a temática explorada pelo roteiro seja avulsa. Desacreditada no decorrer uma longa fase de sua vida, Madison foi submetida a um tratamento psicológico por conta de um suposto amigo imaginário, Gabriel. Cruel, ele a levaria a cometer atos condenáveis, combatidos fortemente pelos conhecimentos científicos da doutora Florence Weaver (Jacqueline Mackenzie). Seria a sua existência uma realidade ou uma estratégia da personagem para ocultar a sua própria natureza?

Misturando magistralmente segmentos mais sugestivos e outros de puro horror físico – coroados com excelentes efeitos práticos e cenas de body horror – James retrata esse embate entre fé e ciência justamente na mescla entre os diferentes subgêneros que o permite, explorando várias maneiras do público, seja o mais crente ou o mais “pé no chão”, se relacionar com aquilo em tela.

Você ja viu? :  Filmes clássicos para ver com as amigas / amigos

Desse modo, “Maligno” sintetiza e eleva ao máximo tudo que o terror é capaz de ser. Para além dos traumas e questões familiares que o enredo tenta abordar, o filme focaliza a nossa relação, metalinguística, com essas narrativas assombrosas, que por mais descartáveis que possam parecer para alguns, jamais deixarão de ser um fruto do nosso próprio imaginário. A obra é uma declaração de amor aos fãs e ao gênero, especializado na transposição de medos do imaginário coletivo para as grandes telas.

Uma representação de traços internos que, por mais sombrios que possam parecer, acabam convertidos em tela das mais criativas formas.

O post Crítica | Maligno (2021): o apaixonante terror de James Wan apareceu 1º em Cinema com Rapadura.

Deixe seu comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Todos os direitos reservados - Poltrona de Cinema 2021
English EN Portuguese PT Spanish ES
Share via
Copy link