Crítica | Fassbinder – Ascensão e Queda de Um Gênio (2020): experimental e modesto

Crítica | Fassbinder – Ascensão e Queda de Um Gênio (2020): experimental e modesto

Rainer Werner Fassbinder ( Oliver Masucci ) foi um dos diretores mais autênticos da história do cinema, além de prolífero a ponto de ter acumulado mais obras do que anos de vida. Ele faleceu com apenas 7 anos, e seu legado é estudado por gerações e gerações desde os anos 1980, a fim de compreender as diversas nuances de seus olhares cinematográficos, enquanto as polêmicas no entorno de sua personalidade ditavam as regras fora das câmeras. Dessa forma, um pouco disso tudo é retratado neste “Fassbinder: Ascensão e Queda de Um Gênio”.

A partir do ponto de vista do próprio diretor, o espectador vai acompanhá-lo em seus diversos experimentos audiovisuais. De diretor, roteirista, produtor, compositor e até mesmo ator, o artista em questão é retratado como o personagem principal inegável desta obra e de sua vida, algo que fez questão de deixar claro a todos ao redor, através de uma personalidade indomável, muitas vezes irascível, cujas palavras em sua maioria eram proferidas como facas aos seus interlocutores. Desta forma, a visão deste escapa do retrato comum de uma cinebiografia, que engrandece seus protagonistas, mas tampouco o diminui. O objetivo aqui é apresentar o cineasta como ele foi.

Por isso, desde os primeiros minutos de o espectador provavelmente mergulhará em uma verve incômoda e masturbatória, cuja escolha do diretor, Oskar Roehler, é proposital para tornar esta experiência tão peculiar quanto seu homenageado. Dessa forma, vai ser comum vivenciar a vida amorosa de Fassbinder junto dele, e mergulhar em seus momentos de libertinagem sexual, uso de drogas e tudo o que parece manter sua personalidade levemente entorpecida. Quando não, sua fúria é grande o suficiente para torná-lo odiável, e suas atitudes são misóginas, homofóbicas e anárquicas de todos os pontos de vista sociais e profissionais.

Desta forma, o carrega de forma pesada a trajetória meteórica de alguém que amava o audiovisual, e experimentava cinema e televisão, produzindo em ritmo acelerado como se soubesse, como tantos outros gênios intensos e inconsequentes, que sua passagem por esta vida seria breve. E foi. E Fassbinder se relacionava com o trabalho com a mesma intensidade com que buscava relacionar-se com outros homens, raramente deixando-se cair em emotividade. Com o passar do filme, no decorrer o longo e cansativo segundo ato, é possível que o espectador sinta-se incomodado com a fidelidade escolhida por Roehler, mas, acredite, isso faz parte da experiência.

Enquanto Oliver Masucci brilha em sua composição, com todos os trejeitos e verossimilhança física junto de seu personagem, o espectador mergulhará em uma experimental composição metalinguística na qual a maquiagem ( Schwerthelm Ziehfreund ) e o figurino ( Peri de Bragança ) são apenas peças de um olhar quase teatral para a vida e obra do cineasta. Por isso, o desenho de produção escolhe cenários abertos, enquanto Oskar Roehler ( sim, o diretor ) opta pelo “menos é mais”, dando espaço à direção de arte de Markus Schütz, o qual deixa apenas os elementos fundamentais à cena, algo visto na filmografia de Fassbinder, e que também é levado ao cinema por Lars Von Trier ( vide “Dogville” ).

Dotado como um dos precursores do cinema novo alemão, há diversas características do que Fassbinder criou, claramente inspirado na Nouvelle Vague, aqui Roehler brinca com a realidade trazendo a subjetividade de seu personagem principal. Desta forma, há uma mistura de cores contrastantes, algo que, no preto e branco, se assemelharia também ao expressionismo alemão, mas que aqui quis retratar as cores de forte apelo sensual e violento as quais o cineasta estava testando em sua filmografia.  

Porém, apesar de servir como um bom estudo de personagem, e uma introdução à vida daquele artista, este “Fassbinder: Ascensão e Queda de Um Gênio” apresenta uma convencionalidade rítmica que beira o marasmo, e isso atrapalha em parte a experiência porque, além de deixar diversas nuances de fora, e focar em aspectos não tão interessantes, o também conta com o vagaroso segundo ato, e causa sistematicamente o desinteresse de quem estava, até então, compactuando com esse olhar. Ainda que incompleta, é uma experiência recomendável.

O post Crítica | Fassbinder – Ascensão e Queda de Um Gênio ( 2020 ): experimental e modesto apareceu 1º em Cinema com Rapadura.

Deixe seu comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Todos os direitos reservados - Poltrona de Cinema 2021
English EN Portuguese PT Spanish ES
Share via
Copy link