Os primeiros registros de HIV no mundo datam de 1977 e 1978, na África do Sul, porém, a descoberta do vírus em si aconteceu apenas em 1984. Nessa época, não existia nenhum tratamento eficaz com a síndrome, que destrói as células de defesa do corpo e abre espaço para doenças oportunistas se instalarem.

Com o avanço da medicina, diversos tratamentos surgiram e prolongam a vida do portador por um tempo indeterminado – alguns infectologistas estimam em mais de 50 anos após o início do tratamento, nos dias de hoje. O chamado coquetel pode ser considerado a cura do vírus, já que ele faz com que o HIV fique adormecido no corpo do portador. A cura propriamente dita ainda não existe.

A principal forma de transmissão é através do sexo, e a doença foi estigmatizada como sendo de homossexuais. Essa realidade mudou nessas 3 décadas que a humanidade convive com ela, mas o tabu ainda persiste. A maioria das pessoas esconde sua condição com medo de enfrentar preconceitos. Mesmo assim, alguns famosos vieram a público revelar que vivem com o vírus e levam uma vida normal.

1. Andy Bell

Talvez você não o conheça de nome, mas já cantou suas músicas: Andy Bell faz parte da dupla pop Erasure, que tem hits como “A Little Respect”, “Chains of Love” e “Always”, lançados entre o final dos anos 80 e começo dos 90. Bell se assumiu gay em 1986 e em 2004 revelou que era soropositivo havia 6 anos. Ele continua fazendo shows até hoje e mantém o vírus sob controle.

2. Chuck Panozzo

Em 1970, Panozzo fundou a banda de rock progressivo Styx, que lançou sucessos como “Lady”, “Come Sail Away” e “Babe”. Em 2001, ele revelou ser homossexual e portador do vírus HIV, chocando a indústria da música e os fãs. Atualmente, aos 67 anos, ele continua em turnê com a banda e se tornou ativista na conscientização do vírus causador da aids.

3. Holly Johnson

Johnson era o líder da banda dos anos 80 Frankie Goes to Hollywood, que tem como principais hits as músicas “The Power of Love” e “Relax”, tema do filme “Dublê de Corpo”. Em 1991, ele descobriu ser portador do vírus e resolveu dar um tempo na carreira. Hoje ele está com 55 anos e com o vírus sob controle. Além da medicação antirretroviral, Johnson também parou de beber e fumar.

4. Greg Louganis

O mergulhador recebeu 4 medalhas de ouros nos Jogos Olímpicos de 1984 e 1988 – neste último, protagonizou um momento tenso do esporte ao bater a cabeça no trampolim, mas se recuperou e garantiu a vitória. Seis meses antes dessa competição, em Los Angeles, Louganis recebeu o diagnóstico positivo para HIV, que ele trouxe a público em 1995. Atualmente, com 55 anos, ele virou ativista dos direitos LGBTs e dos portadores do vírus causador da aids.

5. Jerry Herman

Um dos maiores compositores da Broadway, responsável pelas trilhas de “Olá, Dolly!” e “Gaiola das Loucas”, Herman descobriu o HIV em 1984, quando o vírus ainda era praticamente uma sentença de morte. O músico vencedor de 2 prêmios Tony fez tratamentos experimentais e segue vivo quase sem sintoma algum de sua condição. Ele está com 80 anos!

6. Magic Johnson

Um dos mais lendários jogadores de basquete da NBA de todos os tempos, Johnson chocou o mundo em 1991 ao revelar que era soropositivo. Até então, essa era uma doença quase sempre associada aos homossexuais. O jogador estava no auge da carreira e serviu de porta-voz para a consciência de se prevenir contra o HIV. Atualmente, com 56 anos, ele tem uma saúde comparável à de alguém que não possui o vírus.

7. Charlie Sheen

Famoso ator de cinema nos anos 80 e 90, Sheen fez sua transição para as telinhas e acabou se tornando o mais bem pago da TV: ele chegou a ganhar US$ 1,8 milhão por episódio em “Two and a Half Men”. Considerado um ator mulherengo e difícil de lidar, Sheen anunciou sua soropositividade em novembro de 2015.

***

O dia 1º de dezembro ficou conhecido como o Dia Mundial de Luta Contra a Aids. Diversas campanhas em todo o planeta tentam conscientizar a população para se prevenir. Nós aqui do Mega ressaltamos que, apesar de ser possível viver com o HIV hoje em dia, o melhor mesmo é se proteger e não ficar à mercê de nenhum risco. Consciência, galera! E se previnam: sexo só com camisinha, hein?