Os Homens São de Marte… traz protagonista desesperada para casar

homens são de marte e é prá lá que eu vou
  • Save

Baseado numa peça que ficou quase uma década em no país e fez um público de 2 milhões de ingressos, o longa “Os Homens São de Marte… E É Pra Lá Que Eu Vou!”, que estreia nesta 5º (29), traz a sua criadora, Mônica Martelli, novamente como protagonista.

Ela é Fernanda, mulher bem-sucedida profissionalmente que busca um homem para chamar de seu e se envolve em mil confusões enquanto tenta encontrar o príncipe encantado. A trama, os personagens e a situações são tão clichês quanto as duas frases anteriores que descrevem o filme.

O que há nessa mulher contemporânea que assusta aos homens? Seria o seu desespero para se casar ou sua independência financeira?

Fernanda, que é sócia numa empresa que organiza festas de casamento, se envolve através de um político (Eduardo Moscovis), um milionário (Humberto Martins), um alemão meio hippie no nordeste (Peter Ketnath) e um arquiteto (Marcos Palmeira).

Com todos ela acredita que vai ser feliz para sempre e com quase todos se frustra. É apenas através de um deles que ela encontra o puro amor conjugal: com aquele com quem não vai para a cama no 1º encontro.

“Os Homens São de Marte… E É Pra Lá Que Eu Vou” parece estar repetindo um velho bordão moralista, da suposta diferença entre as que são para casar e as outras.

Você ja viu? :  Hugh Jackman acredita que ‘Wolverine 3? será seu último filme como Wolverine

Mônica é boa de e domina a personagem, tem timing para humor e com certeza é o que há de melhor no filme. Mas as situações e a obstinação de Fernanda quase desumanizam a personagem principal que, em certos momentos, parece um robô programado apenas para esperar uma aliança na mão esquerda.

Os coadjuvantes Daniele Valente e Paulo Gustavo são apenas desculpas para Fernanda conhecer novos homens, novos pretendentes em potencial.

Uma subtrama envolvendo um casamento (em que a mãe do noivo é interpretada por Irene Ravache) parece estar ali apenas para prolongar o filme, que, em última instância, é uma longa propaganda, passando por uma revista, uma marca de iogurte e culminando em Lulu Santos.

fonte:.uol.com.br

Deixe seu comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Todos os direitos reservados - Poltrona de Cinema 2021
English EN Portuguese PT Spanish ES
Share via
Copy link